Ligações rápidas

Horário de Funcionamento:
Segunda, Quinta e Sexta
15:00 / 20:00

Sábados e Domingos
11:00 / 18:00

 

 

Áreas Principais

Arquivo para a categoria ‘histórias da História’

 

HISTÓRIAS DA HISTÓRIA: A escola de moderna de Francesc Ferrer, a propósito da sua morte a 13 de Outubro de 1909

15 de Outubro de 2015

ManifestacioaparisperlamortdeFerrer

No passado dia 9 de Outubro realizou-se a primeira sessão do ciclo «Escola, para que te quero?», a decorrer até Dezembro na Casa da Achada. Integrada na rubrica «histórias da História», a sessão lembrou desta vez a data do fuzilamento do pensador anarquista catalão Francesc Ferrer que consternou o mundo em 1909 e gerou uma onda de revolta e solidariedade. A data foi aqui pretexto para uma apresentação de Eupremio Scarpa, licenciado em Ciências Políticas em Itália, investigador e educador.

Eupremio Scarpa começou por explicar como se apaixonou pelo pensamento de Ferrer, ideias «que estava a praticar no seu trabalho educativo e social e que utilizava sem conhecer», como disse. Eupremio contou a história da «Semana trágica» em que Ferrer é preso, sumariamente julgado e assassinado, bem como o contexto das revoltas sociais entre finais do século XIX e os inícios do século XX. A conversa continuou com uma revisão das principais ideias de Ferrer relativamente à educação e como ele fundou a Escola Moderna em 1901, uma experiência pedagógica libertária que durou poucos anos mas teve importantes consequências até aos nossos dias. Para Eupremio Scarpa «muito do pensamento de Ferrer ficou vivo» e é ainda hoje actual.

Em 1901 Ferrer criou uma escola baseada em princípios opostos aos que dominavam a educação (ele queria fazer «o contrário do que lhe foi ensinado»), e imaginou uma pedagogia «científica», numa escola mista (com rapazes e raparigas), onde havia coeducação de classes (não para catequizar e criar revolucionários mas pessoas que pensam livremente e que «naturalmente» se tornariam rebeldes, pensava Ferrer). Uma escola onde o lugar do jogo e da criatividade era central, onde não havia notas, nem prémios, nem castigos. Uma escola «para a emancipação», onde a criança está no centro do processo educativo. Uma escola contra o autoritarismo. Uma escola onde o trabalho intelectual e manual vêm a par e passo. Uma escola com jardim, com janelas grandes, com uma preocupação grande com a higiene. A escola moderna organizava também palestras para educação de adultos.

Eupremio Scarpa explicou ainda como as ideias da Escola Moderna se espalharam em Itália (e em Portugal também, na experiência da Escola oficina n.º 1). O orador trouxe ainda um pequeno vídeo com uma entrevista a José Pacheco, fundador da Escola da Ponte, em Portugal, que tem muitos pontos em comum com os princípios da Escola Moderna de Ferrer.

Francisco Ferrer i Guardia

Depois da exposição de Eupremio Scarpa houve ainda tempo para um vivo debate sobre alguns «princípios» pedagógicos, onde se passou pelo papel dos professores hoje, a importância de questionar e escutar, o individual e o colectivo, a reprodução de modelos sociais através da escola, a educação para a liberdade, a ideia de «formação integral», a formação de professores, os problemas reais e a importância das utopias…

Uma abertura deste ciclo «Escola, para que te quero?» extremamente estimulante, que deixou muitas ideias e práticas para discutir, aprofundar, interrogar.

Continuamos o ciclo em Outubro, Novembro e Dezembro. A próxima sessão é já esta sexta-feira, 16 de Outubro, às 18h30: «As escolas onde estudamos – espaços e edifícios», uma conversa com Filomena Marona Beja e João Barroso.

 

18 a 23 de Janeiro

17 de Janeiro de 2014

Microsoft Word - 18-24 Jan 14

 

10 a 14 de Outubro

7 de Outubro de 2013

História 11

A CARBONÁRIA PORTUGUESA
histórias da História
Quinta-feira, 10 de Outubro, 18h

Nesta sessão vamos falar sobre a Carbonária Portuguesa, a 5 de Outubro de 1910, com Firmino Mendes.

Neste ciclo, «histórias da História», conversaremos sobre efemérides da História, contemporâneas de Mário Dionísio, pensando sempre também no que se passa hoje. Porque há coisas de que se fala hoje – como a tão badalada «crise» – que não são coisas novas, algumas nunca deixaram de existir, outras ressurgiram em sítios e alturas diferentes. Já falámos sobre a ascenção de Hitler ao poder, sobre a Comuna de Paris, sobre as «aparições» de Fátima, sobre a Guerra Civil de Espanha e o franquismo nas populações de fronteira e sobre a Independência da Guiné, sobre o golpe em Espanha em 1981, sobre os derrotados no 25 de Abril de 1974, sobre os tiros de Sarajevo e sobre as primeiras férias dos operários franceses.

CARTAZ SEGUNDA 14 OUTUBRO 13

CICLO A PALETA E O MUNDO III
O amor da pintura de Claude Roy
Segunda-feira, 14 de Outubro, 18h30

Na 3ª parte do ciclo «A Paleta e o Mundo» lemos obras que foram citadas em A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio, ou obras de autores seus contemporâneos.

Nesta sessão Manuela Torres continua a leitura comentada, com projecção de imagens, de O amor da pintura de Claude Roy.

CICLO DE CINEMA
VIVENDO E APRENDENDO
O menino selvagem de Truffaut
Segunda-feira, 14 de Outubro, 21h30

Na segunda-feira continua o ciclo de cinema «Vivendo e aprendendo», onde as aprendizagens, o ensino e a escola estão representadas. Nesta sessão projectamos O menino selvagem (1970, 83 min.) de François Truffaut. Quem apresenta é João Rodrigues.

OBRAS À VENDA
para angariação de fundos

Na sequência do leilão de 5 de Outubro, continuam em exposição, nos próximos dias, as obras que não foram vendidas, que se encontram à venda pelo preço base de licitação. O catálogo pode ser consultado aqui.

Obras de vários autores portugueses: Alberto Péssimo, Alice Geirinhas, Alice Jorge, Ana Jotta, André Alves, Ângelo de Sousa, António Sena, Armando Alves, Bárbara Assis Pacheco, Carlos Calvet, Charrua, Cipriano Dourado, Costa Pinheiro, Cruzeiro Seixas, Emerenciano, Espiga Pinto, Eurico Gonçalves, Fernando Calhau, Fernando José Pereira, Frederico Mira, Germano Santo, Guilherme Parente, Hansi Stäel, Henrique do Vale, Henrique Ruivo, Inês Dourado, João Abel Manta, João Cutileiro, João Queiroz, Jorge Barradas, Jorge Martins, José Cândido, José Freitas, LOBO, Manuel Baptista, Manuel Pinto, Manuel Ribeiro de Pavia, Manuel Sampaio, Manuela Bacelar, Margarida Alfacinha, Maria Gabriel, Maria José Oliveira, Maria Keil, Martins Correia, Miguel Horta, Mily Possoz, Natacha Antão, Nikias Skapinakis, Pedro Avelar, Pedro Chorão, Querubim Lapa, Rocha de Sousa, Rogério Ribeiro, Rui Mendonça, Rui Paiva, Rui Pimentel, Rui Sanches, Sá Nogueira, Sérgio Pombo, Silva Chicó, Sílvia Hestnes, Sofia Areal, Teresa Magalhães, Vespeira, Zé Viana, Zulmiro de Carvalho.

Canções Heróicas - castanho

AS HERÓICAS DE FERNANDO LOPES-GRAÇA
Sábado, 12 de Outubro, 16h
Organização: Coro da ART

O Coro da Associação de Residentes de Telheiras propôs uma sessão de conversa e canto sobre as canções heróicas de Fernando Lopes-Graça, compositor amigo de Mário Dionísio. A conversa será com Luísa Tiago de Oliveira e Manuel Deniz Silva. E cantam o Coro da ART e o Coro da Achada.

 

16 a 19 de Agosto

12 de Agosto de 2013

(HIST323RIAS AGO 13_Layout 1)

AS PRIMEIRAS FÉRIAS DOS OPERÁRIOS FRANCESES
histórias da História
Sexta-feira, 16 de Agosto, 18h

Nesta sessão vamos falar sobre as primeiras férias dos operários franceses, em Agosto de 1936, com Jorge Silva Melo.

Na sessão será projectado o documentário francês de 2006, Été 36 – les premières vacances des français (Verão de 1936- as primeiras férias dos franceses), com tradução simultânea em português.
O filme, que fala também das primeiras férias na neve, uns meses depois, e do desenvolvimento do campismo e das colónias de férias, tudo isso ligado à Frente Popular de Léon Blum, durante a qual se realizou a Exposição Universal de Paris de 1937, inclui numerosos depoimentos de quem viveu essas primeiras férias – trabalhadores (nomeadamente operários e operárias), estudantes e outros  – e de Pascal Ory, historiador.

Neste ciclo, «histórias da História», conversaremos sobre efemérides da História, contemporâneas de Mário Dionísio, pensando sempre também no que se passa hoje. Porque há coisas de que se fala hoje – como a tão badalada «crise» – que não são coisas novas, algumas nunca deixaram de existir, outras ressurgiram em sítios e alturas diferentes. Já falámos sobre a ascenção de Hitler ao poder, sobre a Comuna de Paris, sobre as «aparições» de Fátima, sobre a Guerra Civil de Espanha e o franquismo nas populações de fronteira e sobre a Independência da Guiné, sobre o golpe em Espanha em 1981, sobre os derrotados no 25 de Abril de 1974 e sobre os tiros de Sarajevo.

Cartaz Oficina JUL-AGO13_cartaz paleta

VOZES QUE O VENTO NÃO LEVARÁ
Oficina
Domingo, 17 de Agosto, das 15h30 às 17h30

Nesta oficina vamos, com Margarida Guia, falar em voz bem alta, falar em voz bem baixa para toda gente ouvir e entender o que se diz e o que se quer dizer.

Para todos a partir dos 6 anos.
Continua todos os domingos de Agosto.

Segunda 19 AGosto

CICLO A PALETA E O MUNDO III
Iniciação estética de Cochofel
Segunda-feira, 19 de Agosto, 18h30

Na 3ª parte do ciclo «A Paleta e o Mundo» lemos obras que foram citadas em A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio, ou obras de autores seus contemporâneos.

Nesta sessão Eduarda Dionísio lê e comenta, com projecção de imagens, o capítulo IV de Iniciação estética de João José Cochofel.

«Diante de um quadro, ao escutarmos um trecho musical, quando lemos um livro ou nos alheamos na simples contemplação de uma paisagem, se embora de um modo obscuro pressentimos que tais exercícios vieram, eficazmente, convincentemente, acrescentar algo de novo, de inesperado, de estimulante, à nossa experiência da vida, se alvoroçadamente descobrimos no nosso íntimo que vieram alargar ao mesmo tempo as nossas faculdades de sentir e de compreender, é à palavra belo que recorremos para classificar o objecto que de tão singular maneira se impôs à nossa atenção. Um objecto do qual nada esperávamos que servisse o nosso conhecimento do mundo ou ajudasse a resolver as nossas mais instantes dificuldades quotidianas, cujo valor útil e prático ignorávamos, e que no entanto ali nos retém presos nas invisíveis malhas que todavia o ligam à condição humana de conhecer e agir»
José João Cochofel, na introdução de Iniciação estética

CICLO DE CINEMA AO AR LIVRE
FÉRIAS NA ACHADA
Verão de 42 de Robert Mulligan

Segunda-feira, 19 de Agosto, 21h30

Nesta segunda-feira projectamos, ao ar livre, Verão de 42 (1971, 103 min.) de Robert Mulligan. Quem apresenta é António Rodrigues.

 

26 de Junho a 1 de Julho

26 de Junho de 2013

4º Encontro de leitores JUN 13

ENCONTRO DE LEITORES
Quarta-feira, 26 de Junho, 14h30

Neste mês recebemos o escritor José Mário Silva que vai pôr toda a gente a ler e a falar, ouvir, ler e contar, dizer da sua justiça. E procurar nas estantes da Biblioteca da Achada, levar livros para ler em casa. E passar aos outros o que sim, o que não.

Inaugurámos os Encontros de Leitores, do projecto «Palavras que o vento não levará», em Janeiro. Continuam todas as últimas quartas-feiras de cada mês.

GREVE GERAL
Quinta-feira, 27 de Junho

Em virtude da Greve Geral, a Casa da Achada encerra na quinta-feira.

Histórias JUN 13

OS TIROS DE SARAJEVO
histórias da História
Sexta-feira, 28 de Junho, 18h

Nesta sessão vamos falar sobre os tiros de Sarajevo – o começo da era moderna, a 28 de Junho de 1914, com Sebastião Lima Rego. Os tiros de Sarajevo resultaram no assassinato do arquiduque Francisco Fernando e teve grande influência no início da I Guerra Mundial.

Neste ciclo, «histórias da História», conversaremos sobre efemérides da História, contemporâneas de Mário Dionísio, pensando sempre também no que se passa hoje. Porque há coisas de que se fala hoje – como a tão badalada «crise» – que não são coisas novas, algumas nunca deixaram de existir, outras ressurgiram em sítios e alturas diferentes. Já falámos sobre a ascenção de Hitler ao poder, sobre a Comuna de Paris, sobre as «aparições» de Fátima, sobre a Guerra Civil de Espanha e o franquismo nas populações de fronteira e sobre a Independência da Guiné, sobre o golpe em Espanha em 1981, sobre os derrotados no 25 de Abril de 1974.

OFICINA JUN 2013

FAZER O QUE PRESTA A PARTIR DO QUE NÃO PRESTA
Oficina com Eupremio Scarpa
Domingo, 30 de Junho, das 15h3o às 17h30

Nestes três últimos domingos do mês, com Eupremio Scarpa, vamos imaginar e construir sem desperdiçar com materiais baratos, reutilizar e reciclar o que parece que já não serve para nada. Na última sessão vamos fazer pins e outros objectos.

Para todos a partir dos 6 anos.

cartaz segunda 1 JULHO 13

CICLO A PALETA E O MUNDO III
Modos de ver de John Berger
Segunda-feira, 1 de Julho, 18h30

Na 3ª parte do ciclo «A Paleta e o Mundo» lemos obras que foram citadas em A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio, ou obras de autores seus contemporâneos.

Nesta sessão continua a leitura comentada por Gonçalo Lopes, com projecção de imagens, do 5º capítulo de Modos de ver de John Berger.

CICLO DE CINEMA AO AR LIVRE
FÉRIAS NA ACHADA
As férias do sr. Hulot de Jacques Tati
Segunda-feira, 1 de Junho, 21h30

Começa, nesta segunda-feira, o ciclo de cinema ao ar livre, na Rua da Achada, «Férias na Achada». Projectamos As férias do sr. Hulot (1953, 114 min.) de Jacques Tati. Quem apresenta é João Rodrigues

As férias não são tão velhas como o mundo. Antes de começarem a regular os calendários, quem as gozava eram os que não viviam do trabalho e não precisavam de «descansar», mas podiam «mudar de ares» e fazer «vilegiaturas». No século XX, as férias mudaram de figura: foram uma conquista dos trabalhadores e um direito (con)sagrado.
Hoje são «matéria» do comércio e da indústria – «turismo», agências de viagens… E cada vez mais «repartidas». E há cada vez menos «férias»: se não há trabalho, ou se o trabalho é precário, e sem contrato, como pode haver «férias»?
As antigas férias (como os «fins-de-semana», os feriados e as suas «pontes»), conquistadas aos patrões, enquanto terreno da «felicidade» vinda do «não fazer nada», do «não obrigatório», do tempo «livre», têm sido tema e lugar da literatura, da pintura, do teatro, do cinema. Férias desejadas, idealizadas, aproveitadas, e também malbaratadas, desgraçadas. São um tempo com lugares, hábitos e rituais próprios, e paixões, dramas, tragédias e comédias que o «ócio» pode tornar diferentes ou ampliar. São espelho duma sociedade, é claro.
O filme mais antigo deste ciclo, Passeio ao campo de Renoir, começou a ser rodado em 1936, ano determinante na vida dos assalariados franceses: milhões de operários partiram pela primeira vez para as praias, sem perderem o salário dos 15 dias em que não trabalhavam. Vários filmes deste ciclo são dos anos 50. E, ao contrário do que tem acontecido com outros ciclos, não há nenhum do século XXI. Por alguma razão será.
Um ciclo dedicado sobretudo aos que (já) não têm férias e que as poderão ter aqui, olhando para as férias dos outros, uma noite por semana, ao ar livre, enquanto é verão.

 

Os derrotados no 25 de Abril – sessão com Carlos Matos Gomes

27 de Abril de 2013

(HIST323RIAS ABR 13_Layout 1)

 

Nesta sessão vamos falar sobre os derrotados no 25 de Abril de 1974 com Carlos Matos Gomes.

Neste ciclo, «histórias da História», conversaremos sobre efemérides da História, contemporâneas de Mário Dionísio, pensando sempre também no que se passa hoje. Porque há coisas de que se fala hoje – como a tão badalada «crise» – que não são coisas novas, algumas nunca deixaram de existir, outras ressurgiram em sítios e alturas diferentes. Já falámos sobre a ascenção de Hitler ao poder, sobre a Comuna de Paris, sobre as «aparições» de Fátima, sobre a Guerra Civil de Espanha e o franquismo nas populações de fronteira e sobre a Independência da Guiné, sobre o golpe em Espanha em 1981.

No domingo, às 15h30, é a última sessão da oficina O 25 de Abril que tenho na cabeça. Vamos fotografar, com Youri Paiva, os amigos que andámos a espalhar pelas esquinas.

 

16 a 18 de Fevereiro: Golpe em Espanha em 1981; Oficina «Aproveitar objectos e materiais»; leitura de ‘A arte de pintar’; cinema com ‘Bonnie e Clyde’

14 de Fevereiro de 2013

(HIST323RIAS FEV 13_Layout 1)

GOLPE EM ESPANHA
histórias da História
Sábado, 16 de Fevereiro, 16h

Nesta sessão vamos falar sobre o golpe em Espanha a 23 de Fevereiro de 1981 com Miguel Perez.

Neste ciclo, «histórias da História», conversaremos sobre efemérides da História, contemporâneas de Mário Dionísio, pensando sempre também no que se passa hoje. Porque há coisas de que se fala hoje – como a tão badalada «crise» – que não são coisas novas, algumas nunca deixaram de existir, outras ressurgiram em sítios e alturas diferentes. Já falámos sobre a ascenção de Hitler ao poder, sobre a Comuna de Paris, sobre as «aparições» de Fátima, sobre a Guerra Civil de Espanha e o franquismo nas populações de fronteira e sobre a Independência da Guiné.

Cartaz Oficina FEV 13_cartaz paleta

APROVEITAR OBJECTOS E MATERIAIS
Oficina
Domingo, 17 de Fevereiro, das 15h30 às 17h30

Nos domingos de Fevereiro vamos, com Irene van Es, aproveitar objectos e materiais à volta de tecidos. «A vida é feita de pequenos nadas» e «quem tem duas mãos tem tudo. E ter uma é mais que nada».

Depois de nas sessões passadas termos construído móbils a partir de feltro e pequenos bonecos a partir de tecidos e outros materiais, nesta sessão novos bonecos vamos fabricar.

Para todos a partir dos 6 anos.

Microsoft Word - CARTAZ SEGUNDA 18 FEV  13

CICLO A PALETA E O MUNDO III
Segunda-feira, 18 de Fevereiro, 18h30

Na 3ª parte do ciclo «A Paleta e o Mundo» lemos obras que foram citadas em A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio, ou obras de autores seus contemporâneos.

Nesta sessão continua a leitura comentada, com projecção de imagens e exercícios de desenho, de A arte de pintar de Tristan Klingsor, traduzido e anotado por Mário Dionísio, por José Smith Vargas.

CICLO DE CINEMA – DINHEIRO PARA QUE TE QUEREM
Segunda-feira, 18 de Fevereiro, 21h30

Nesta segunda-feira deste ciclo de cinema sobre o dinheiro, projectamos Bonnie e Clyde (1967, 111 min.) de Arthur Penn. Quem apresenta é Pedro Rodrigues.

Parece que o centro do mundo é o dinheiro. A falta de dinheiro, o pouco dinheiro, o muito dinheiro, o demasiado dinheiro, o dinheiro guardado – a poupança até tem direito a dia mundial -, o dinheiro usado, o dinheiro roubado, o dinheiro emprestado, oferecido ou por oferecer, ou bem ou mal distribuído, e por aí fora.
Se todos tivéssemos dinheiro, não havia Banco Alimentar. Se todos tivéssemos dinheiro, não se morria à fome, nem havia misericórdias, nem ONGs de caridade, nem IPSSs, nem subsídios de desemprego e de reinserção (quando os há), etc., etc. Nem nasceriam zonas francas nem casinos. Nem quase seriam precisos tribunais que julgam assassinatos, roubos, heranças, partilhas, limites de propriedades… com o dinheiro ao centro.
O dinheiro é mesmo o centro do mundo. E, porque parece sê-lo cada vez mais, e sempre de outras maneiras, organizámos este ciclo de filmes, maior que os anteriores.

Ver aqui a restante programação do ciclo.

 

23 a 26 de Novembro: O 25 de Novembro; Mário Dionísio e o ensino; oficina da música às palavras; leitura de «Lições do passado» de Schmidt; cinema com ‘Gente de Dublin’

21 de Novembro de 2012

HISTÓRIAS DA HISTÓRIA
O 25 de Novembro
Sexta-feira, 23 de Novembro, 18h

Nesta sessão vamos falar sobre a o 25 de Novembro de 1975 com Duran Clemente.

Neste ciclo, «histórias da História», conversaremos sobre efemérides da História, contemporâneas de Mário Dionísio, pensando sempre também no que se passa hoje. Porque há coisas de que se fala hoje – como a tão badalada «crise» – que não são coisas novas, algumas nunca deixaram de existir, outras ressurgiram em sítios e alturas diferentes. Já falámos sobre a ascenção de Hitler ao poder, sobre a Comuna de Paris, sobre as «aparições» de Fátima, sobre a Guerra Civil de Espanha e o franquismo nas populações de fronteira e sobre a independência da Guiné.

MÁRIO DIONÍSIO E O ENSINO
Sábado, 24 de Novembro, 16h

Nesta sessão, do ciclo «Mário Dionísio, escritor e outras coisas mais», Maria Emília Diniz vem falar-nos de Mário Dionísio e o ensino, em particular sobre o seu papel na reforma educativa de 1974.

«Não chegou a ser [um papel] na reforma [do ensino após o 25 de Abril]. Eu presidia a uma grande comissão de estudo da reforma educativa, isto é, nós – eu com os meus cem colegas, deviam ser aproximadamente cem professores – conseguimos, num curto prazo de dois ou três meses, remendar – não foi mais do que remendar – os programas e introduzir já algumas alterações. Mas não chegou a ser uma reforma… Depois, eu saí do Ministério, os ministros mudaram, seguiu-se por outros caminhos. De facto, não tenho qualquer responsabilidade no que se passa hoje no ensino, excepto no ter contribuído para a criação de uma cadeira, como por exemplo Educação Visual, e doutra, Música, que infelizmente me parece que continua a não existir no ponto com que sonhavam os meus colaboradores. Mas o problema é realmente muito complicado, muito complexo, e eu, que na faculdade fui professor de pessoas que já estão a ser professores – muitos deles, uma grande quantidade deles… Apavora-me um pouco e dá-me um pouco a impressão de que é quase irreversível.»
Mário Dionísio, numa entrevista no programa «De mãos dadas» de Maria Júlia Guerra, na RDP, emitida a 1 de Maio de 1986 (disponível em Entrevistas (1945-1991))

OFICINA DA MÚSICA ÀS PALAVRAS
Domingo, 25 de Novembro, das 15h30 às 17h30

Nos domingos deste mês, com Cristina Mora, acontece a 2ª parte desta oficina, em que a partir da música chegamos às palavras.

Trata-se de estimular a percepção auditiva e a prática musical. Os instrumentos preferenciais de trabalho são a voz e as palavras (palavras isoladas, sequências de palavras, pequenos textos) e trabalhar o ritmo, a melodia a harmonia, o timbre, a textura…

A oficina é aberta a todos, quer tenham participado na 1ª parte ou não. A partir dos 6 anos.

CICLO A PALETA E O MUNDO III
Segunda-feira, 26 de Novembro, 18h30

Na 3ª parte do ciclo «A Paleta e o Mundo» lemos obras que foram citadas ou que estão relacionadas com A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio.

Nesta sessão continuamos a leitura comentada, com projecção de imagens, de Lições do passado de Georg Schmidt, que foi director do Museu de Belas-Artes da Basileia. Quem lê é Rui-Mário Gonçalves.

«O texto de Georg Schmidt liga este volume ao primeiro da nossa Histoire de la Peinture Moderne, de Baudelaire à Bonnard, de Maurice Raynal. Para o leitor que não tenha seguido os desenvolvimentos que apresentávamos nessa última obra, ele constitui uma introdução indispensável ao estudo que dedicaremos mais especificamente ao Fauvismo e ao Expressionismo, visto que toda a história da pintura do século XIX se encontra aí resumida numa síntese sugestiva, com as suas correntes principais, as suas tendências, as suas escolas e as personalidades excepcionais que o marcaram, desde Ingres a Bonnard, passando por Delacroix, Courbet, Manet, Monet, Cézanne, Gauguin, Van Gogh e Toulouse-Lautrec.
É só nessa perspectiva que surge o verdadeiro significado dos dois movimentos, o Fauvismo e o Expressionismo, sobre os quais nos debruçamos aqui.»
Texto introdutório de Histoire de la peinture moderne: Matisse, Munch, Rouault, fauvisme et expressionnisme, editado pela Skira em 1950.

CICLO LITERATURA E CINEMA
Segunda-feira, 26 de Novembro, 21h30

Nesta sessão projectamos Gente de Dublin (1987, 83 min.) de John Huston, a partir da obra de James Joyce.
Quem apresenta é João Rodrigues.

O cinema é (ou já foi) mais popular que a literatura. O facto é que muito cinema se foi fazendo com a literatura, a partir dela. São muitos e muitos os livros transformados em cinema. Uns terão sido desfeitos pelo cinema, outros refeitos. Há quem ache que o cinema pode levar à literatura (e pôr mais gente a ler) e quem ache que é o cinema que a mata.
Este ciclo é uma selecção de filmes feitos a partir de obras literárias, umas mais famosas do que outras, e de várias épocas.  Tentamos assim fazer pensar sobre estas duas linguagens e a sua relação.
Mário Dionísio, que muito pensou e escreveu sobre a literatura e o cinema, entendeu que a linguagem da literatura é uma e a do cinema é outra. E é isso que enriquece o mundo e nos enriquece. Só assim se pode continuar a ler romances e a ver filmes com gosto. Mesmo quando o «assunto» é o mesmo.

 

20 a 24 de Setembro: A independência da Guiné; oficina de castelhano; cinema ao ar livre com ‘Sweeney Todd’; últimos dias da exposição «Ver agora melhor o mais distante»

18 de Setembro de 2012

HISTÓRIAS DA HISTÓRIA
A independência da Guiné
Quinta-feira, 20 de Setembro, 18h

Nesta sessão vamos falar sobre a independência da Guiné a 24 de Setembro de 1973 com Jorge Golias

Jorge Golias foi membro do MFA e estava na Guiné quando a indepêndencia foi declarada. Aqui poderão ler a sua intervenção numa mesa redonda no Centro de Documentação 25 de Abril sobre a descolonização da Guiné-Bissau.

Serão lidos textos publicados na revista ZOE (1972-1973), dirigida por Jorge Golias.

Neste ciclo, «histórias da História», conversamos sobre efemérides da História, contemporâneas de Mário Dionísio, pensando sempre também no que se passa hoje. Porque há coisas de que se fala hoje – como a tão badalada «crise» – que não são coisas novas, algumas nunca deixaram de existir, outras ressurgiram em sítios e alturas diferentes. Já falámos sobre a ascenção de Hitler ao poder, sobre a Comuna de Paris, sobre as «aparições» de Fátima e sobre a Guerra Civil de Espanha e o franquismo nas populações de fronteira.

OFICINA DE CASTELHANO
Domingo, 23 de Setembro, das 15h30 às 17h30

Em Setembro temos uma nova oficina. Em cinco domingos vamos aprender a falar, ler e escrever melhor castelhano com Ana Rita Laureano.

Perceber o porquê da expressão «no te entiendo» e desmontar ideias rápidas que temos da língua. Dar ferramentas para os participantes aprenderem a língua falando e fazendo. E descobrir e não repetir os vícios do «portunhol».

Nesta sessão, como segundo prato, vamos tratar de «Traduttore traditore», os problemas da tradução. Na sessão seguinte, a sobremesa será «Parceiros».

Para quem tiver algum conhecimento na língua. A partir dos 16 anos. Quem quiser pode trazer textos para serem trabalhados.

CICLO A PALETA E O MUNDO III

Na 3ª parte do ciclo «A Paleta e o Mundo» lemos obras que foram citadas em A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio, ou obras de autores seus contemporâneos.

Na passada segunda-feira, dia 17, terminámos a leitura, com projecção de imagens das obras citadas, de Tratado da paisagem (1939) de André Lhote. As leituras deste ciclo recomeçam em Outubro com a leitura de «Lições do passado» de Georg Schmidt sobre o nascimento da arte contemporânea.

CICLO DE CINEMA AO AR LIVRE
QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA
Segunda-feira, 24 de Setembro, 21h30

Os tempos vão maus. Uns choram e outros cantam. Por aqui, continuamos a mostrar o que alguns fizeram nas vidas que foram tendo. Este ciclo de cinema, porque é verão e ao ar livre, tem muita música – que a música é uma boa forma de dizer coisas. É bom ouvir música ao ar livre. E ver o mundo enquanto se ouve música. E pensar. Nas vidas dos outros e nas nossas – as de cada um e também na da Casa da Achada. E falar depois de ter ouvido cantar. Um alívio uma vez por semana, quando o cerco é grande.

Nesta última sessão deste ciclo projectamos Sweeney Todd – O terrível barbeiro de Fleet Street (2007, 116 min.) de Tim Burton.

Sinopse: Depois de quinze anos de prisão na Austrália, Benjamin Barker foge e chega a Londres com uma ideia na cabeça : vingar-se do juiz Turpin que o condenou para ficar com a sua mulher e o seu bebé Johanna. Adoptando o nome de Sweeney Todd, retoma a sua barbearia, situada por cima da padaria da Sr.ª Nellie Lovett que o informa do suicídio da sua mulher, depois de ter sido violada por Turpin. Quando o seu rival Pirelli lhe diz que o vai desmacarar, Sweeney mata-o e a Sr.ª Lovett propõe-lhe a forma de se desembaraçar do cadáver: aproveitar a carne para paté. Sweeney descobre que Turpin quer agora apoderar-se de Johanna, que mantém em sequestro, com a cumplicidade de Bamford. Mas Anthony, o jovem marinheiro que salvou a vida a Sweedey durante a fuga, apaixona-se por ela, liberta-a e promete casar com ela. Entretanto, o bairro de Fleet Street foi-se deliciando com as tortas muito especiais da Sr.ª Lovett, que se põe a sonhar com uma nova vida, respeitável e burguesa: casada com Sweeney e tendo como filho adoptivo o antigo assistente de Pi-relli. Mas Sweeney continua deci-dido a levar até ao fim a sua vin-gança, custe o que custar… Começa então uma carnificina.

Em Outubro começa um novo ciclo de cinema dentro da Casa da Achada: «Cinema e Literatura».

 

ÚLTIMOS DIAS DA EXPOSIÇÃO
VER AGORA MELHOR O MAIS DISTANTE
Até 24 de Setembro, durante o horário de abertura

Lembramos que a exposição «Ver agora melhor o mais distante», de textos de Regina Guimarães a partir de pinturas e desenhos de Mário Dionísio, pode ser visitada até ao dia 24 de Setembro.

A exposição junta cerca de trinta obras plásticas de Mário Dionísio (pintura, alguns desenhos e uma tapeçaria) e os textos que Regina Guimarães escreveu a partir deles.

Alguns dos textos podem ser lidos aqui.

 

23 a 27 de Agosto: ‘O som e a fúria’ de Faulkner; ‘Silêncio’ de Loja Neves; Mário Dionísio, social e político; oficina inventar fabricando; leitura de Lhote; cinema ao ar livre ‘A flauta mágica’

20 de Agosto de 2012

LIVROS DAS NOSSAS VIDAS – O som e a fúria de Faulkner
Quinta-feira, 23 de Agosto, 18h

Nesta sessão Maria João Brilhante vem falar-nos de O som e a fúria de William Faulkner.

27.ª sessão de uma série com periodicidade mensal, a partir de livros e autores referidos por Mário Dionísio num depoimento sobre «Os livros da minha vida».

SILÊNCIO – um documentário de António Loja Neves
Sexta-feira, 24 de Agosto, 18h

Na sequência da sessão do ciclo «histórias da História» do mês de Julho, sobre a Guerra Civil de Espanha e o franquismo nas populações de fronteira no norte de Portugal e na Galiza, em que contámos com a participação de Paula Godinho, projectamos O Silêncio, documentário de António Loja Neves, proposto pelo próprio durante a sessão.

Na sessão participam António Loja Neves e Paula Godinho.

«No comovente filme de António Loja Neves e José Manuel Alves O Silêncio, enrolado em si mesmo, numa posição quase fetal, um homem desfia um sofrimento longo, a partir dum acontecimento que viveu com 16 anos e que lhe mudou a vida, tornando-lhe os sonhos improváveis. Trata-se de Arlindo Espírito Santo, que viu grande parte da sua família ser presa em Dezembro de 1946, na aldeia de Cambedo da Raia, no concelho de Chaves, encostada à Galiza. Ali decorreu um episódio sangrento e tardio, ainda em resultado do golpe franquista em 18 de Julho de 1936.»
Paula Godinho, «Cambedo da Raia, 1946»

MÁRIO DIONÍSIO, SOCIAL E POLÍTICO
Sábado, 25 de Agosto,  16h

Nesta sessão, do ciclo «Mário Dionísio, escritor e outras coisas mais», Eduarda Dionísio vem falar-nos sobre a intervenção social e política de Mário Dionísio.

«Ouço o grande silêncio. Vejo-o. Toco-lhe quase. Estou sentado, no meio da cozinha lajeada, olhando lá para fora pela janela alta e estreita. A manifestação (com tiros!) em S. Pedro de Alcântara, éramos todos estudantes. Encontros nocturnos na cerca da Faculdade de Ciências, falava-se em voz baixa, muito baixa, com o portão fechado, quem é que tinha a chave? Um grito alegre na praia da Ericeira, alguém correndo, um abraço tão forte que nos deita ao chão, é o Ramos da Costa muito novo, que eu julgava ainda preso, «saí ontem!». E o Zé Gomes, o Carlos, o Cochofel, ainda antes da tertúlia do «Bocage». E as massas transbordantes do dia da Vitória: bandeirinhas dos aliados nas ruas, nas varandas, nas lapelas, excepto a da URSS, é claro, e por isso se gritava: «Todas! Todas! Todas!» E novamente a marcha cautelosa sob as águas. Sempre outra vez a marcha cautelosa sob as águas. Sacões de esperança: o Norton, o «Santa Maria» navegando envolto em lenda, apelando em vão ao mundo inteiro, o Humberto Delgado antes de lhe arrancarem as estrelas. Anos e anos de crime, digamos o que dissermos, consentido. Até ao tal amanhecer: Aqui, posto de comando das Forças Armadas. Escancarado o portão de Caxias. O regresso dos exilados perante mares de gente gritante e confiante, até parecia um povo. O primeiro 1.° de Maio em liberdade, nas ruas, nas janelas, nos andaimes dos prédios em construção. Seria mesmo um povo?

E outros momentos. Soltos. Deslumbrantes na opaca escuridão do que não volta mais. Cada um terá os seus, a sua história privada, a sua respiração. A última reunião da Comissão de Escritores do MUD, a que tinha pertencido toda a gente (faltavam às vezes cadeiras) e a que, por fim, já só compareciam, inutilmente renitentes, três pessoas: a Manuela Porto, o Flausino Torres, eu. Que coordenava o sector desde a própria ideia de o formar. Como o dos artistas (arquitectos, pintores, escultores, desenhadores, fotógrafos, publicitários) que, a partir de 46, fizeram juntos as suas Exposições num clima de entusiasmo e unidade como nunca houvera no país nem sei se, exactamente assim, terá voltado a haver.»
Mário Dionísio, Autobiografia (1987)

OFICINA INVENTAR FABRICANDO
Domingo, 26 de Agosto, das 15h30 às 17h30

Em Agosto há uma oficina diferente: «Inventar fabricando» ou «As mãos sujas», com Pierre Pratt.

Desta vez, o Pierre convida vossas excelências a sujar as mãos, e talvez um bocadinho da vossa roupa e por isso convinha trazer uma camisola que só espera ficar mais suja de tintas (laváveis, claro, mas nunca se sabe se se pode realmente confiar no rótulo do frasco das tintas, e também do detergente).
Vamos, a partir de objectos do nosso dia-a-dia, ou do dia-a-dia dos outros, dar-lhes outras vidas, e eles até vão gostar!
Venham todos, porque en août, plus on est de fous, plus on rit (em Agosto, quanto mais louco se é, mais se ri), como se diz na minha terra!

Aqui podem ver como foi a primeira sessão desta oficina, em que se fabricaram animais a partir de objectos de cozinha; na segunda sessão fabricaram-se, a partir de objectos com forma de animais, personagens humanas. Na terceira sessão foram-se preparando os cenários para estas personagens. Nesta quarta sessão vamos acabar os cenários para inventar uma história para cada uma delas.

Para todos a partir dos 6 anos.

CICLO A PALETA E O MUNDO III
Segunda-feira, 27 de Julho, 18h30

Na 3ª parte do ciclo «A Paleta e o Mundo» lemos obras que foram citadas em A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio, ou obras de autores seus contemporâneos.

Continua a leitura, com projecção de imagens das obras citadas, de Tratado da paisagem (1939) de André Lhote. Quem lê é Manuela Torres.

«(…) O pintor aprendiz saberá finalmente que quanto mais tentar ser ele próprio mais se afastará da simpatia do público e da crítica, porque o público está sempre a falar da personalidade do artista, no fundo só gosta das fórmulas cuja chave já possui. Tem as suas manias: ontem só enaltecia a exactidão do desenho, a pureza do modelo, o respeito pela cor local, etc. hoje, o que encanta é a liberdade de feitura, o simulacro da improvisação. Ora, apesar do que se poderia imaginar, o registo das sensações, se por um lado é gerador de espontaneidade nos trabalhos preparatórios, desenhos ou esboços, acaba quando se trata de os colocar à escala de trabalhos monumentais, descamba em inabilidade, rigidez e arrependimento onde se vislumbra o debate interior que tentei desajeitadamente descrever. Quando mais se fala em humanizar a arte mais se fica cego diante desses traços autênticos do mais humano dos dramas da arte. Não há nada a fazer: tudo o que autentifica o génio tal como ele surge nas obras de Cézanne, Van Gogh e Seurat, mestres da sensação directa, será hostil para a maioria, e a regra é morrer, como esses “três grandes”, perfeitamente desconhecido.
Com isto espero dissuadir bastantes jovens da ideia que a pintura é uma distracção ou um ganha-pão.»
André Lhote, excerto do prefácio de Tratado da paisagem (edição de 1946).

CICLO DE CINEMA AO AR LIVRE QUEM CANTA SEUS MALES ESPANTA
Segunda-feira, 27 de Julho, 21h30

Os tempos vão maus. Uns choram e outros cantam. Por aqui, continuamos a mostrar o que alguns fizeram nas vidas que foram tendo. Este ciclo de cinema, porque é verão e ao ar livre, tem muita música – que a música é uma boa forma de dizer coisas. É bom ouvir música ao ar livre. E ver o mundo enquanto se ouve música. E pensar. Nas vidas dos outros e nas nossas – as de cada um e também na da Casa da Achada. E falar depois de ter ouvido cantar. Um alívio uma vez por semana, quando o cerco é grande.

Nesta sessão projectamos A fláuta mágica (1975, 135 min.) de Ingmar Bergman.
Quem apresenta é João Paulo Esteves da Silva.

André Spencer e F. Pedro Oliveira para Casa da Achada - Centro Mário Dionísio | 2009-2020