Ligações rápidas

Horário de Funcionamento:
Segunda, Quinta e Sexta
15:00 / 20:00

Sábados e Domingos
11:00 / 18:00

 

 

Áreas Principais

»

«

 

 

Próximas actividades da Casa da Achada (1 a 5 de Maio)

2 de Maio, domingo, às 16:00h

Apresentação do livro A Grande Viagem dos Homens através do tempo e do espaço de Júlio Moreira

Júlio Moreira

Uma visão do universo, do espaço, da Terra, das origens da vida, da evolução das espécies e das sociedades humanas destinada aos jovens.

Com a participação do Autor, de José Pedro Martins Barata e de Vítor Silva Tavares.

.

3 de Maio, segunda-feira, às 18:30h

Leitura da 2ª parte de A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio

Cartaz-ciclo-paleta-2-245x300

Leitura colectiva, com projecção de imagens, do capítulo «Como o pássaro canta» por Isabel da Nóbrega.

.

3 de Maio, segunda-feira, às 21:30h

Ciclo «Filmes proibidos antes do 25 de Abril»: Os Carabineiros de Jean-Luc Godard

Cartaz filmes proibidos

Continuação do ciclo «Filmes proibidos antes do 25 de Abril» com a projecção de Os Carabineiros de Jean-Luc Godard (1963, 80 min.). Quem apresenta é João Rodrigues. Legendado em português.

Uns 3500 filmes foram proibidos em Portugal durante a ditadura, desde a criação da Inspecção dos Espectáculos, em 1928, até ao 25 de Abril de 1974. Por razões políticas. E também por razões «morais». Muitos outros não chegaram a ser proibidos porque os distribuidores nem sequer os apresentavam a «exame», uma vez que de antemão sabiam que eles não «passariam». Nem com os cortes habituais.
Qualquer filme russo (entre 1936 e 1970), qualquer filme de um país de leste (entre 1947 e 1970), qualquer filme indiano (entre 1953 e 1973) estava impedido de ser exibido, fosse ele qual fosse.
Com pequenas excepções, todos os filmes de Eisenstein, de Vertov, de Buñuel, de Pasolini, muitos filmes neo-realistas italianos e da «nova vaga» francesa, vários filmes de Chaplin, de Renoir, de Bergman, entre outros não «passaram na censura» e só puderam ser vistos nas salas portuguesas depois do 25 de Abril.
Nos ciclos anteriores, incluímos alguns deles. Por exemplo, Roma, Cidade Aberta de Rossellini, Hiroshima meu amor de Resnais, Os Olvidados e Um Cão Andaluz de Buñuel, O couraçado Potemkin de Eisenstein, Jaime de António Reis.

.

Outras actividades:

1 de Maio, sábado, a partir das 15:30h

«Pequeno é bom»: Encontros de edição independente

pequenobom

Encontro mensal na Casa da Achada / Centro Mário Dionísio sobre questões de edição independente (fanzines, zines, livros de autor, CD-R,…).

Nesta sessão dá-se atenção à criatividade e “mãos na massa” estando no programa:
Orgia Gráfica, workshop por Lucas Almeida;
– A habitual Feira de Fanzines desta vez com uma selecção de títulos ligadas ao desenho/ ilustração/ graphzines;

títulos dísponíveis: da Chili Com Carne, Imprensa Canalha, Le Dernier Cri, MMMNNNRRRG, Nazi Knife, Opuntia Books, U.D.A. (de Blanquet)… entre outras produções nacionais e estrangeiras.

Organização: Chili Com Carne

.

5 de Maio, quarta-feira, às 18:30h, no Parque Eduardo VII em Lisboa

A Casa da Achada na Feira do Livro

Feira do Livro

Leituras por Inês Nogueira. Projecção de vídeos. Canta o Coro da Achada.

Na Praça Amarela da Feira do Livro.

.

Continua no horário de abertura
50 anos de pintura e de desenho

A exposição inaugural da Casa da Achada – Centro Mário Dionísio, com perto de 40 obras de desenho e pintura de Mário Dionísio, muitas delas desconhecidas, e 18 obras de vários artistas pertencentes ao seu espólio.

Todas as actividades são de entrada livre. Ao chegar pergunte o que são os Amigos da Achada.

Deixe um comentário

 

voltar às notícias

André Spencer e F. Pedro Oliveira para Casa da Achada - Centro Mário Dionísio | 2009-2017