Ligações rápidas

Horário de Funcionamento:
Segunda, Quinta e Sexta
15:00 / 20:00

Sábados e Domingos
11:00 / 18:00

 

 

Áreas Principais

»

«

 

 

Fizemos a festa com a Lega di Cultura di Piadena

535342_747056618728470_7547719499279578919_n

Nos dias 18, 19 e 20 de Março, algumas pessoas da Casa da Achada foram à festa da Lega di Cultura di Piadena, uma festa internacionalista feita anualmente pelos nossos companheiros italianos, onde nos podemos encontrar, e em que se come, se bebe, se canta, se conversa, se debate e se ajuda a construir a própria festa.

No sábado, às 15h, abrimos o debate «Terra non guerra», com um texto sobre o trabalho, resultado da discussão aberta que fizemos no dia 4 de Março na Casa da Achada «Outro trabalho? Outra vida?». O texto, que lemos a várias vozes em italiano e que tem pelo meio alguns bocadinhos de canções, que cantámos em português, pode ser lido aqui em português e aqui em italiano. Falaram depois Peter Kammerer, Eugenio Camerlenghi, Mario Agostinelli e Gianni Tamino, e seguiram-se intervenções de quem estava na plateia. Falou-se de trabalho, guerra, propriedade, capitalismo, agricultura e tantas coisas mais.

No domingo, foi o dia da festa propriamente dita, com quase 2000 pessoas e muitas canções . Também nós cantámos, a meio da tarde, algumas canções que o coro da Achada canta: Mininu (Ke ki liberdade), En la plaza de mi pueblo, Águas paradas não movem moinhos e Cio da Terra.

Antes de ir embora, ainda cozinhámos dois bacalhaus. E contamos receber os nossos companheiros de Itália na Casa da Achada em Agosto.

Um comentário a “Fizemos a festa com a Lega di Cultura di Piadena”

  1. Cláudia Oliveira diz:

    O testemunho que levaram a Piadena é exemplar porque nos falta incutir como prática corrente o pensar mais sobre a vida que levamos; e só se levarmos a discussão à rua, onde todos possam participar com a sua experiência, a sua memória de outros tempos (que às vezes é idealizada), as suas apreensões e as suas ideias (e nisto os papel das associações seria importante) é que podemos abrir consciências e clarificar os rumos que queremos tomar. O documento da reunião é um modelo a seguir porque não deixa nenhuma ideia de fora, e isso é essencial. (Contra mim falo, que não participei nesta discussão e que agora vejo o que perdi).

Deixe um comentário

 

voltar às notícias

André Spencer e F. Pedro Oliveira para Casa da Achada - Centro Mário Dionísio | 2009-2020