Ligações rápidas

Horário de Funcionamento:
Segunda, Quinta e Sexta
15:00 / 20:00

Sábados e Domingos
11:00 / 18:00

 

 

Áreas Principais

»

«

 

 

A Leitura Furiosa outra vez!

Leitura Furiosa - sessão pública comp
Vamos outra vez fazer a Leitura Furiosa. Será no próximo fim-de-semana: 22, 23 e 24 de Maio. No domingo, na Casa da Achada, serão lidos e publicados em brochura os textos de Lisboa, Porto, Beja e Amiens. Estão todos convidados.

Este ano em Lisboa, os escritores Filomena Marona Beja, João Paulo Esteves da Silva, José Mário Silva, Miguel Cardoso e Miguel Castro Caldas encontram-se com grupos de pessoas do Centro de Apoio Social de S. Bento, Conselho Português para os Refugiados, Escola do Castelo, Escola Gil Vicente e Serviço Jesuíta aos Refugiados e escrevem os textos que serão ilustrados por Bárbara Assis Pacheco, Marta Caldas, Nadine Rodrigues, Pierre Pratt e Zé d’Almeida.

No sessão de domingo, os textos de Lisboa, Porto, Beja e Amiens serão lidos e cantados por Diogo Dória, F. Pedro Oliveira, Inês Nogueira, João Caldas, Luís Lucas, Nuno Moura, Pedro Rodrigues e Sofia Ortolá.

 

MAS O QUE É A LEITURA FURIOSA?

A Leitura Furiosa destina-se aos que, sabendo ler, estão zangados com a leitura – crianças e adultos, homens e mulheres, empregados e desempregados, portugueses e estrangeiros.

A Leitura Furiosa é um acontecimento especial que acontece anualmente há vários anos em Lisboa e, ao mesmo tempo, noutras cidades. Uma dela é Amiens, em França, onde nasceu.

A Leitura Furiosa dura três dias. É um momento especial: quem é (ou que a vida tornou) zangado com a leitura, a escrita (e até o mundo) encontra-se com escritores! É um momento único que permite a um não-leitor aproximar-se da magia da escrita, por intermédio de uma pessoa que escreve literatura.
Cada um faz ouvir a sua voz e até pode seguir depois um novo caminho, ao descobrir pessoas, coisas, frases, palavras que têm a ver com a sua vida e podem fazem pensar. Em si e nos outros.

Para a Associação Cardan, de Amiens, que imaginou a Leitura Furiosa e a trouxe até Lisboa, e para a Casa da Achada – Centro Mário Dionísio, que em Lisboa a organiza, o saber deve ser acessível àqueles que dele normalmente são excluídos, o saber e a cultura devem nascer de uma ligação com o conjunto da sociedade e a cultura pode e deve ser analisada por aqueles que habitualmente não a praticam ou pouco se ocupam dela. Por aí passa uma outra integração na sociedade daqueles que vivem com mais dificuldades e problemas vários que os afastam dessa cultura. Que pode ser menos aborrecida do que às vezes parece.

Alguns pequenos grupos de gente zangada com a leitura (entre 4 e 6 pessoas) convivem durante um dia (sexta-feira), com um escritor, como entenderem fazê-lo, no seu local de encontro habitual (escola, associação, centro social …).

Pelo meio, almoçam, continuando a conversar.
À noite, o escritor escreverá em casa um pequeno texto, a partir do encontro, que oferecerá ao grupo com quem esteve, quando, no dia seguinte (sábado), voltarem a encontrar-se, desta vez na Casa da Achada. Lê-se o texto, fala-se do texto, muda-se o texto.

E os textos dos vários grupos são ilustrados por desenhadores convidados, à vista de toda a gente.
Depois do almoço, em que zangados com a leitura, escritores e ilustradores se reúnem, todos os grupos passarão, com o seu escritor, por uma livraria ou por uma biblioteca.

No domingo, os textos são tornados públicos (os que vêm de França são traduzidos para português) numa sessão de leitura em voz alta feita por actores, e alguns deles serão musicados e cantados. Será distribuída uma brochura ilustrada, com os textos escritos nas várias cidades, onde cada um, de uma maneira ou de outra, estará: mesmo quem está zangado com a leitura pode entrar, querendo ou não querendo, na literatura que os leitores costumam ler e que os zangados com ela poderão ler também.

E mais tarde nascerá disto tudo um livro, de dezenas de grupos, de escritores e ilustradores que às mesmas horas falaram, ouviram, contaram, perguntaram, responderam, leram, desenharam, em várias partes do país e do mundo. Coisas iguais e coisas diferentes.

Deixe um comentário

 

voltar às notícias

André Spencer e F. Pedro Oliveira para Casa da Achada - Centro Mário Dionísio | 2009-2017