Ligações rápidas

Horário de Funcionamento:
Segunda, Quinta e Sexta
15:00 / 20:00

Sábados e Domingos
11:00 / 18:00

 

 

Áreas Principais

»

«

 

 

Vive quem vive

IMG_5358 - 2

Morreu no dia 1 de Agosto Vítor Ribeiro (Maçariku), sócio fundador e membro da direcção da Casa da Achada – Centro Mário Dionísio. Esta casa só existe por sua causa. Muito do que se aqui se tem feito a ele se deve. Todos aqueles que colaboram nesta casa e que dela têm usufruído muito lhe devem. Era uma pessoa com ideias e saberes que mais ninguém tinha e que produziram outras ideias e saberes. Tantos aprendemos tanto com ele. Por todo o lado. Em Lisboa, que dizia conhecer como a palma da sua mão, nos Olivais, em São Bento, no Passos Manuel, no PREC, no PSR, no Tropa Não, no SOS Racismo, nas manifs, no Palmeiras, na Feira da Ladra, nos respigos de lixos e velharias, na Abril em Maio, na Cinemateca, na Casa da Achada, nos bastidores dos teatros, dos cinemas e dos colectivos. Vive quem vive. Há, de facto, pessoas insubstituíveis.

23 comentários a “Vive quem vive”

  1. alessandra balsamo diz:

    Ha’. De facto. Sempre. Maçariku sempre!

  2. Leonor Baeta Neves diz:

    Consternada.
    Sem palavras.
    Um grande abraço amigos.

  3. Rosa diz:

    Do Maçariku chegaram-me sempre coisas boas, o melhor “Bom dia!” a qualquer hora do dia ou da noite. Há, de facto, pessoas insubstituíveis.

  4. João Baeta Neves diz:

    Muita força e podem contar sempre comigo para qualquer ajuda que precisem. Um grande e sentido abraço.

  5. Zédalmeida diz:

    Querido Maçariku.
    Vai dando uma olhada aqui pelo pessoal amigo.

  6. Sérgio Vitorino diz:

    Muitas saudades, já. Um abraço do tamanho do mundo para a Eduarda e a Diana – tenciono ir dá-lo pessoalmente.

  7. Paula Cabeçadas diz:

    Muita pena.
    Grande abraço

  8. Francisco diz:

    Sempre que dermos cara pela Justiça e um Mundo Melhor, sempre que partilharmos saberes e em conjunto disfurtarmos de actos culturais, Maçariku, cá estarás connosco. Sempre

  9. Maria Jose Vitorino diz:

    Vive mesmo. Abraço

  10. Maria Emília Gomes diz:

    Um abraço forte à Eduarda e Diana! O Maçariku fica nas nossas vivências e experiências de vida!

  11. maria (nucha) morna diz:

    O Maçariku tinha um sorriso caloroso, luminoso… assim ficará!
    Um abraço à Eduarda e à Diana.

  12. Solveig nordlund diz:

    Que tristeza que grande falta vais fazer à Eduardo e à nos todos. Obrigada por Tua amizade. Solveig

  13. Rui Oliveira diz:

    Grande companheiro de turma no Passos Manuel RIP

  14. Gonçalo Amorim diz:

    Doí muito ver partir este homem bom e inspirador. Era uma pessoa tão terna, gostava muito dele. Um grande e forte abraço Eduarda. Não estou em Lisboa para to dar pessoalmente. Tristeza!

  15. Enrico Tavoni diz:

    Carissime Diana ed Eduarda, sapevo che Macariku era ammalato ma che era anche forte e speravo che ce l’avrebbe fatta. Non è stato così. Macariku era un uomo buono, sempre disponibile, intelligente e sorridente. Persone come lui sono fondamentali in qualsiasi associazione e sentiremo la sua mancanza. Macariku era un compagno, un vero compagno. Vi abbraccio forte e mi unisco al dolore di tutte le persone che l’hanno conosciuto e gli hanno voluto bene.

  16. Joaquim Paulo Nogueira diz:

    Uma amiga comum telefonou-me a dar-me a notícia. Uns dias depois, tal como tinha sido a sua vontade. Viva quem viva a sua vontade. O meu contacto com ele vem desde os tempos dos Olivais, o Maçariku ainda não tinha a cabeleira nem a farta barba mas já era o mesmo. Ou ainda era o mesmo. Eu gostava dele. Muito. abraço á Eduarda e à Diana e a todos os que se Acharem nele.

  17. Fernando Nunes diz:

    Guardo um amigo que me soube acolher e gostar de Lisboa. Guardarei também os filmes que me deu a ver e ajudou a gostar.Guardo o seu sorriso. Abraço à Eduarda.

  18. Diego diz:

    Fico triste, mas com grandes lembranças para partilhar. Um abraço muito forte a todos os amigos da Casa da Achada.

  19. Olá boa tarde,
    Em nome da equipa IMVF gostaríamos de manifestar as nossas sinceras condolências à família e colegas do Vítor. Apenas hoje tivemos conhecimento do seu falecimento o que nos deixou em grande consternação. Nos últimos anos, contámos com o profissionalismo do Vítor, assente na sua disponibilidade e amabilidade. Recordaremos não apenas as suas qualidades profissionais, mas sobretudo as humanas.

  20. Nuno Franco diz:

    Guardo o seu sorriso, o seu riso, a sua ironia, o gosto pela vida.

    A Casa da Achada é um dos espaços mais importantes de Lisboa, que veio marcar a vida de muitos de nós.

    Abraços a toda a equipa e à Eduarda em especial.

  21. Mário Lisboa diz:

    Foi um amigo de há trinta anos… até Agosto, até sempre! Fica-nos a amizade desinteressada

  22. Pedro Caldeira Rodrigues diz:

    Chegou ao prédio de 11 andares da Rua Cidade de Bolama ainda no longo rescaldo das cheias de 67 e do maio de 68. Recordo-me que lhe impusemos a designação de “Maçarico” ou Maçariku se quiserem, por ser um novato, por ter chegado depois dos outros, vindo da Madragoa. Seria? A sua presença depressa se impôs, entre tantas presenças que todas as noites insistiam em “ir à rua” num bairro novo e ainda nos arredores da cidade. Criaram-se desde então fortes laços de solidariedade, para além das inevitáveis rivalidades entre rapazes na busca da sua afirmação individual e na competição das “conquistas”. O 25 de Abril reforçou-os. Nesse bairro proletário, pequeno-burguês, de classe média, nesse bairro interclassicista, nesse prédio interclassista, o “Maçarico” já revelava ao seu único instinto de resistência e sobrevivência. Sempre até aos limites. Partiu com dignidade. Também por isso, um grande abraço em nome das longas horas de copos, de discussões, de cumplicidades, de desacordos. Eram outros tempos, não eram, amigo Maçarico?

  23. Edgar Feldman diz:

    Maçarico

    Tu serias o primeiro a não querer estas coisas. Era bom não carpir para não ficares com dores de barriga. E cá estou a chatear também. Mas a malta tem saudades. Muitas mesmo.

Deixe um comentário

 

voltar às notícias

André Spencer e F. Pedro Oliveira para Casa da Achada - Centro Mário Dionísio | 2009-2017