Ligações rápidas

Horário de Funcionamento:
Segunda, Quinta e Sexta
15:00 / 20:00

Sábados e Domingos
11:00 / 18:00

 

 

Áreas Principais

»

«

 

 

Como foi a III Feira da Achada

Depois de já termos organizado a feira em 2009 e em 2010, aconteceu no passado sábado a III Feira da Achada. A feira tem como principal objectivo a angariação de fundos para a continuação do funcionamento da Casa da Achada – Centro Mário Dionísio, da sua zona de exposição, biblioteca pública e centro de documentação, e para as actividades – múltiplas e variadas, sempre de entrada e participação livre.

Feira - ambiente 6 Feira - ambiente 13

Feira - ambiente 14 Feira - ambiente 2

A feira começou às 10h, logo com gente que ia chegando para ver os vários objectos, tecidos e roupas que se encontravam à venda no Largo da Achada, tal como os livros e edições de preços e tipos diferentes. No terraço da Casa da Achada estavam as obras de arte para venda. Às 11h começou a visita guiada à exposição «Mário Dionísio – Vida e Obra» por Eduarda Dionísio. Terminada a visita guiada, o bar começou a servir as primeiras comidas e bebidas e a esplanada foi-se compondo.

Feira - fantoches 2

Feira - direis q n é poesia 1 Feira - coro 3

A tarde esteve repleta de actividades. O jogo de deitar latas abaixo com bolas de pano jogou-se animadamente ao longo de todo o dia exactamente no centro do Largo da Achada. Quem deitou todas as latas abaixo, recebeu prémios. Às 15h, em frente às Escadinhas da Achada, apresentou-se a peça de fantoches «A chama eterna na mercearia», feita com os fantoches fabricados numa oficina na Casa da Achada e cujo texto também foi escrito numa outra oficina. Às 17h, na Rua da Achada, foi a vez de Diana Dionísio, Marta Caldas, Pedro Rodrigues e Pedro Soares fazerem discos-pedidos-surpresa na 6ª sessão de «Direis que não é poesia», que se entitulou «É tudo roubado!» (ver vídeo). Textos de, entre outros, Mário Dionísio, Jacques Prévert, Mário Cesariny, Lewis Carrol, Sterne, José Afonso e Sade foram lidos e cantados. Pelas 18h o Coro da Achada começou a cantar na Rua das Farinhas, passando pela Rua de São Cristóvão até ao restaurante-mercearia Eurico, subindo até ao Largo da Achada onde cantou para toda a feira (ver aqui dois vídeos de «En la plaza de mi pueblo» e de «Taça de branco, copo de tinto»).

Aqui podem ver a galeria de imagens da feira (em actualização).

Deixe um comentário

 

voltar às notícias

André Spencer e F. Pedro Oliveira para Casa da Achada - Centro Mário Dionísio | 2009-2017